segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Caparica é "capa rica" ou "ponta mole"?

O topónimo “Caparica”, ao contrário daquilo que por vezes se afirma, nada tem que ver com a ideia de “capa rica”. O nome resulta da existência de um cabo (“Øqb” – “parte final”) de areia, lodo ou outro material macio (“rk” – “ser mole, der macio”). Assim “aqaberik” deve ter evoluído para “qaberik” e por fim para “qaperik”, com o significado de “ponta macia”, como referência ao facto de a margem sul da foz do Tejo ser constituída por uma ponta de areias ou lodos, e não por rochas.


Extrato da folha nº 441-B da Carta Militar de Portugal


Este mesmo radical “Øqb” ajudou à formação de um outro topónimo que ocorre na margem esquerda da foz dos rios:  “cabedelo”, que deve provir precisamente de “Øqb” [acaba] e de “dll” [del]. O radical “Øqb” [acaba] é nosso conhecido porque entre outras deu origem ao nosso verbo “acabar”, e em fenício significa precisamente “chegar ao fim, acabar”, mas também na forma “cabo” quando nos referimos ao fim de alguma coisa “dar cabo de”. Evidentemente que a própria forma latina “caput”, que significa “cabo”, nasceu desta mesma raiz. A raiz “dll” [del] (ou “dl”), significa geralmente “ser fraco, ser pequeno, ser insignificante”. Portanto neste caso trata-se de da mesma ideia dita de um modo ligeiramente diferente: "cabo fraco" em vez de "cabo mole".

Já agora convém referir que a raiz “Øqb” (acaba) foi utilizada para designar locais onde a terra acabava em outros locais do velho mundo. Veja-se por exemplo a “Aqaba” no extremo do golfo com o mesmo nome, no limite norte do Mar Vermelho.


Sem comentários:

Enviar um comentário